Os números do franchising brasileiro têm crescido todos os anos no que diz a faturamento do mercado, número de empresas franqueadoras, emprego diretos, entre outros. Sendo levadas por essa onda, muitas pessoas que têm seu negócio local ou até mesmo uma rede estão pensando em como crescer mais rápido e barato, é nessa hora logo vem a palavra “franquia” na cabeça.

Ao começar a pensar nesse mercado, é importante que o empresário saiba que um dos conceitos de franquia é: “Entregar para o franqueado um modelo de negócio que foi testado e que tem sucesso em sua(s) operação(ões) atual(is), com constatada viabilidade financeira, segurança operacional e legal”.

Dado que o conceito de franquia está claro, é interessante que o empresário faça uma autoanálise respondendo ao menos essas 3 perguntas:

“Eu quero dividir meu conhecimento de anos com outras pessoas?”

“Tenho bons resultados com meu negócio?”

“Meu negócio tem algum diferencial?”

Ter segurança que partilhar de anos de trabalho com outras pessoas que irão “comprar” seu modelo de negócios será imprescindível para o saudável crescimento do negócio, já que os futuros empresários/franqueados têm diversas ideias o tempo todo e muitas delas podem ser extremamente úteis para a rede.

O canal de franquias, se bem explorado é a melhor forma de fazer benchmark, seja interno com seus franqueados observando as características de cada cidade, comportamento dos consumidores regionais, criação de novos produtos e até mesmo benchmarks externos, pois cada um dos franqueados estará sempre de olho nos concorrentes locais absorvendo informações e compartilhando ideias com a rede sobre como melhorar sua atuação no mercado.

Quando o empresário que quer franquear seu negócio estiver confortável e consciente do que é mercado de franchising, é hora de colocar as “mãos na massa” e realizar a grande e complexa formatação do modelo que envolve conhecimentos específicos sobre mercado, concorrência, estratégias tributárias e financeiras, bem como, quando, como e quais taxas (inicial de franquias e royalties) devo cobrar para dar retorno financeiro e suporte necessário para a rede.

 

Artigo do Consultor de projetos da Cherto Consultoria, Anderson Queiroz.

Autor bianca

Mais posts de bianca

Deixe um comentário